Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

País terá mais vacinas do que o previsto em agosto

Nova estimativa é de que o Brasil receba 63,3 milhões de doses contra a Covid-19 no próximo mês, um aumento superior a 50% em relação a julho

O Ministério da Saúde anunciou ontem que aumentou para 63,3 milhões a previsão de doses de vacinas contra Covid-19 que devem ser entregues em agosto pelos laboratórios contratados. A previsão anterior era de 60,5 milhões de unidades.

Segundo a pasta, a nova projeção representa um aumento superior a 50% em relação a julho, quando o país deve receber 40,4 milhões de doses previstas.

Ontem, o ministério confirmou que recebeu do Instituto Butantan mais 1,5 milhão de doses da Coronavac. Os imunizantes serão incluídos no Programa Nacional de Imunização (PNI) e distribuídos para os estados e Distrito Federal.  

Além das vacinas recebidas, o instituto aumentou a expectativa de entrega para o próximo mês de 15 milhões para 20 milhões de doses. A entrega de imunizantes da Pfizer também foi ampliada, passando de 32,5 milhões para 33,3 milhões.

Além dessas doses, o Brasil também vai contar com a entrega de 10 milhões de doses da AstraZeneca, produzidas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

De acordo com a pasta, 164 milhões de doses de todas as vacinas contra a Covid-19 que fazem parte do PNI foram distribuídas aos estados. Do total, foram aplicadas 126,6 milhões, sendo 91,4 milhões de primeira dose e 35,1 milhões de segunda dose e dose única.  

Segundo o ministério, o número de pessoas que receberam a primeira dose representa mais da metade da população-alvo (57%) de 160 milhões de pessoas com mais de 18 anos no Brasil. Quem está com a imunização completa (segunda dose ou dose única) representa 21,7% da população-alvo.

Por meio do vacinômetro do Ministério da Saúde, a população pode acompanhar o andamento da vacinação em todos os estados.  (Agência Brasil)

SPUTNIK

O Ministério da Saúde decidiu rescindir o contrato para a compra de 10 milhões de doses da vacina russa Sputnik V. De acordo com informações do jornal Valor Econômico, o anúncio só depende da conclusão de análises jurídicas.  

Para justificar a decisão, a pasta pretende argumentar que o imunizante não conseguiu a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que seria uma das exigências do contrato de aquisição da vacina.

Em entrevista coletiva, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que tanto a vacina russa quanto a indiana Covaxin não devem entrar no PNI, pois o país já garantiu 600 milhões de doses de outras vacinas contra a Covid-19.