Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Covid-19: após mais de um ano de pandemia, aumenta em 45% o número de transplantes em Pernambuco

Com a pandemia de covid-19, o número de doadores de transplantes de órgãos e tecidos diminuiu ao longo de 2020. Além disso, procedimentos que não são considerados urgentes foram suspensos. Isso fez aumentar a fila de espera pelo procedimento. A esperança despontou no primeiro semestre deste ano, quando mais pessoas conseguiram um sim para mudar a qualidade de vida através dos transplantes. Apenas entre janeiro e junho deste ano, foram 616 transplantes de órgãos e tecidos realizados em Pernambuco, um aumento de 45,6%, em comparação com o mesmo período do ano anterior (423).

Nos primeiros seis meses de 2021, foram realizados 309 transplantes de córnea, 122 de rim, 111 de medula óssea, 54 de fígado, 16 de coração, 3 de válvula cardíaca e 1 de fígado/rim, totalizando 616 procedimentos. Já a fila de espera por um órgão ou tecido possui 1.936 pacientes, sendo 1.150 aguardando um rim, 583 córnea, 121 fígado, 44 medula óssea, 21 rim/pâncreas e 17 coração. 

“A pandemia diminuiu as ocorrências que levavam uma pessoa a ser um potencial doador. Além disso, foram impostos diversos desafios e novas condições para que pudéssemos confirmar que uma pessoa poderia fazer a doação e também para obter a autorização familiar. Aprendemos muito em 2020 e estamos avançando a cada dia para dar esperança àqueles que precisam de um órgão e tecido para viver e ter uma vida mais plena”, afirma a coordenadora da Central de Transplantes de Pernambuco (CT-PE), Noemy Gomes.

Para se ter uma ideia, houve um aumento de 100% nos transplantes de coração: foram 8 no primeiro semestre de 2020 e 16 no mesmo período de 2021. Já os procedimentos de rim cresceram 64,9% (74 em 2020 e 122 em 2021). Córnea (53,7%), fígado (45,9%) e medula óssea (15,6%) também tiveram o número de procedimentos ampliado. “Ainda não estamos em patamares de anos antes da pandemia, mas esse reaquecimento precisa ser celebrado, pois são mais pessoas saindo da fila de espera e ganhando qualidade de vida”, frisa Noemy.

Atualmente, se for confirmada a covid-19, o potencial doador perde esse status, não podendo doar. “Além do exame laboratorial, também fazemos uma entrevista com os parentes. Se houver algum indicativo de contato recente com pessoa confirmada para a doença ou sintoma sugestivo, essa doação, por segurança, também é inviabilizada”, explica.

A coordenadora da CT-PE, que é enfermeira, ainda lembra da nova forma de abordar as famílias, que são as responsáveis por autorizar a doação de órgãos e tecidos do ente querido. “A pandemia modificou a dinâmica hospitalar, restringindo visitas para evitar contaminações. Com isso, tivemos que aprender a fazer a abordagem a distância, sem o contato olho a olho e as interações que surgem a partir das conversas ao vivo.” Ela ressalta que atualmente se faz uso das ligações ou chamadas de vídeo para auxiliar nesse processo, “acolhendo o familiar neste momento de extrema dor e informando sobre a possibilidade de exercer o direito da doação, podendo salvar vidas”.

Segundo Noemy, também foram retomados os acolhimentos presenciais seguindo os protocolos de segurança. “Estamos em constante processo de melhoria dessas entrevistas para que os familiares possam ter todas as informações necessárias para tomar a sua decisão (de doar os órgãos do parente ou não)”, salienta. Ela lembra que, no Brasil, a autorização é dada por um familiar de até segundo grau, sendo importante o indivíduo externar em vida sua vontade de ser doador de órgãos e tecidos.

MEDULA ÓSSEA

Em portaria publicada recentemente, o Ministério da Saúde modificou a idade limite para cadastro no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome), que agrega as pessoas cadastradas para doação desse tecido. A partir de agora, só serão aceitos novos cadastros de pessoas entre 18 e 35 anos – anteriormente era até 55. O cadastrado permanece ativo nesse banco até os 60 anos, e todos aqueles que se inscreveram anteriormente, mesmo com mais de 35 anos, continuam podendo doar.

Leitos com novo destino

No auge da segunda onda de covid-19, ao longo do segundo trimestre deste ano, Pernambuco alcançou o maior número de leitos de terapia intensiva (UTI): 1.812 dedicados a pacientes com sintomas da doença. Hoje, após a desativação das vagas devido à desaceleração da pandemia, a rede pública estadual tem 1.279 leitos de UTI, com 41% deles ocupados. A reportagem do JC questionou a Secretaria de Saúde de Pernambuco (SES) sobre o destino dos equipamentos médico-hospitalares dos leitos desativados e também sobre o aproveitamento das equipes de saúde que ofereciam assistência aos pacientes.

“Na rede estadual, os leitos estão sendo reconvertidos dentro dos próprios serviços para atender à demanda original ou ampliar a assistência de outras especialidades. Até o momento, as equipes de saúde ainda não foram desmobilizadas nem remanejadas para outras unidades”, disse, em nota, a SES, sem dar detalhes sobre as especialidades médicas que estariam sendo priorizadas com o remanejamento das instalações e equipes.

RECIFE

No Recife, a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) iniciou a desativação de parte de leitos dedicados exclusivamente para o tratamento de pacientes com suspeita ou confirmação da infecção pelo coronavírus. “Desde então, foram desmobilizados 10 leitos de enfermaria e 30 de UTI (terapia intensiva), no Hospital da Mulher do Recife, e outros 26 de enfermaria e 20 de UTI no Hospital Evangélico”, informa, em nota, a Sesau.

Questionada pela reportagem do JC sobre o destino dos equipamentos médico-hospitalares dos leitos desmobilizados, a secretaria explica que, “como a maioria dos materiais é específica para o tratamento dos casos graves de covid-19 e que não estão sendo demandados no momento, eles ficarão temporariamente guardados para o caso de a curva epidêmica voltar a subir e a Prefeitura do Recife identifique a necessidade de voltar a abrir mais leitos municipais”.

Já sobre os profissionais de saúde, a Sesau diz que, como os leitos desmobilizados são de uma unidade filantrópica e outra gerenciada por uma organização social de Saúde, a gestão de pessoal é feita pela instituição responsável por cada uma dessas unidades.

Atualmente, o Recife tem 70 vagas de UTI disponíveis para pacientes com sintomas de covid-19, com 33 delas ocupadas. Além disso, possui 21 leitos de sala vermelha (todos livres) e 48 vagas de observação (uma está ocupada).