Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Recife aplica dose de reforço contra covid

Antes do previsto, o Recife inicia a aplicação da terceira dose da vacina contra a covid-19. A expectativa, segundo anunciado pelo governo federal e a Secretaria Estadual de Saúde, era começar a dose de reforço somente a partir da próxima quarta-feira (15). Na capital, a estratégia já inicia hoje. O anúncio foi feito ontem pelo prefeito João Campos. Primeiramente, esse processo de imunização contempla idosos que vivem em instituições de longa permanência (ILPIs) – um dos primeiros grupos vacinados no início da campanha. No total, devem ser atendidos quase 800 pessoas dessa faixa etária nesta fase.

“A gente começa a partir de amanhã (hoje) a vacinar com a dose de reforço no Recife. Nós vamos começar pelas instituições de longa permanência”, informou o prefeito João Campos. “Vamos fazer da mesma forma que foi feita durante a primeira e segunda dose, quando a gente colocou equipes volantes da Secretaria de Saúde do Recife indo em todas as instituições da nossa cidade e garantindo a vacinação com segurança e conforto para pessoas idosas que estão nesses locais”, acrescentou João.

As equipes volantes da Secretaria de Saúde do Recife seguirão um cronograma para percorrer as 26 instituições onde vivem os idosos, semelhante ao que foi feito no início da vacinação, em janeiro. Conforme orientação do Ministério da Saúde, a dose de reforço será feita preferencialmente com o imunizante da Pfizer, independentemente da vacina aplicada na primeira e segunda doses.

A combinação das vacinas é recomendada pelo órgão federal após estudos, aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), comprovarem que a resposta imunológica contra a covid-19 não é comprometida pela intercambialidade dos imunizantes.

PRÓXIMA ETAPA

Após o início da imunização dos idosos que vivem em ILPIs, o próximo passo é garantir a aplicação da terceira dose para o grupo dessa faixa etária que faz parte da população em geral, assim como as pessoas imunossuprimidas. A execução dessa estratégia está sendo discutida para garantir que a aplicação da dose de reforço seja feita com organização, agilidade e segurança, uma vez que a cidade já dispõe de toda estrutura montada.

Até o momento, o Recife já aplicou 1.787.927 de doses de vacina contra a covid-19. Desse total, 1.152.773 são de primeira dose; 575.026 são de segunda dose; e 60.128 são de dose única. Atualmente, 95,2% da população adulta já estão com pelo menos uma dose da dose vacina e 51,3% deste mesmo público estão com esquema vacinal completo.

RECOMENDAÇÕES

Segundo o Ministério da Saúde, os indivíduos imunossuprimidos deverão fazer o reforço vacinal a partir do 28º dia após a segunda dose. Já os idosos devem fazer seis meses após a segunda. Segundo o órgão federal, essa imunização deve ser feita com Pfizer, de preferência. De maneira alternativa, também pode ser usada a vacina de vetor viral da Janssen ou da AstraZeneca. Essa estratégia, vale frisar, é paralela à vacinação de primeira e segunda doses.

O objetivo dessa dose de reforço é ampliar a resposta imune do organismo no público considerado mais suscetível à doença, evitando casos graves, sequelas e mortes. De acordo com o Ministério da Saúde, a proteção dada pela vacina pode decair ao longo dos meses, sendo necessário ampliar essa resposta imune. O órgão federal ainda frisa que os imunodeprimidos normalmente apresentam resposta reduzida às diferentes vacinas disponíveis no calendário vacinal brasileiro, havendo, inclusive, esquemas de vacinação adaptados para esse público.

“Com o avançar da variante delta no Brasil, há a preocupação de garantir que esses grupos mais vulneráveis recebam uma dose de reforço para complementar seu esquema vacinal”, diz o pediatra Eduardo Jorge da Fonseca Lima, representante regional da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIM) e membro do Comitê Estadual para Acompanhamento da Vacinação contra a Covid-19. “Acreditamos que, com a continuidade do esquema em toda a população acima de 18 anos, garantindo a segunda dose para todos, garantindo a extensão dos adolescentes, essa outra orientação irá somar e, assim, será um caminho para controlar a pandemia”, reforça o médico.

Cai nº de profissionais afastados

Com o avanço da vacinação contra covid-19 no Recife, houve uma queda de 87,5% no número de afastamentos de profissionais de saúde, que atual na capital pernambucana, por suspeita ou confirmação da doença. Esse percentual leva em consideração a comparação entre janeiro e julho. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), há 10.524 profissionais de saúde em seu quadro. Entre janeiro e julho deste ano, foram afastados, respectivamente (por mês), 56, 47, 82, 97, 127, 45 e 7 profissionais de saúde municipais que adoeceram com sintomas sugestivos da infecção pelo novo coronavírus.

Em maio de 2020, no pico da primeira onda, a Sesau chegou a registrar o maior número de afastamentos de toda a pandemia, com 648 profissionais de licença por covid-19. Comparando com maio deste ano, a queda foi de cerca de 80%.

A Sesau explica que não consegue filtrar os trabalhadores da rede municipal que já tomaram a vacina contra covid-19. Os números, segundo o órgão, são dos profissionais que atuam no Recife de uma forma geral: inclui redes privada, pública estadual e municipal, que estão disponíveis no vacinômetro. Pela plataforma, 109.560 trabalhadores dessa categoria já tomaram a primeira dose contra a doença. Desses, 98.097 estão com o esquema vacinal completo.

A Prefeitura do Recife destaca que continua a levar a ação de vacinação itinerante contra a covid-19 para 11 comunidades da capital. Profissionais da Sesau percorrem bairros fazendo busca ativa dos moradores que estão dentro do perfil para receber a primeira dose da vacina ou ainda aqueles que estão no prazo para segunda dose ou em atraso.

DADOS

A capital pernambucana acumula, desde de março de 2020, 151.710 casos de pessoas que já tiveram diagnóstico laboratorial confirmado de covid-19, sendo 135.712 leves e 15.998 graves. Entre eles, 5.324 evoluíram para o óbito. Do total de casos, 145.226 recuperaram-se da doença.

Já Pernambuco totaliza 611.475 casos confirmados da doença, desde o início da pandemia, sendo 53.535 graves e 557.940 leves, que estão distribuídos por todos os 184 municípios pernambucanos, além do arquipélago de Fernando de Noronha. Além disso, o boletim registra um total de 545.569 pacientes recuperados da doença. O Estado totaliza 19.485 mortes em decorrência da covid-19.