Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

SUS bate recorde de atendimentos

Enquanto Pernambuco anistia dívidas de motocicletas sob o argumento da geração de emprego, os danos provocados pelas motos só aumentam no trânsito brasileiro. Levantamento da Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet) mostra que o Sistema Único de Saúde (SUS) bateu recorde de atendimento às vítimas das duas rodas. De forma geral, o trânsito do Brasil fez mais estragos nesse período, mas foram os motociclistas e passageiros das motos que mais se destacaram. Apesar de a crise sanitária ter retirado grande parte da população das ruas – há sistemas viários que tiveram redução de circulação superior a 60%, como é o caso de corredores do Recife -, o SUS registrou 308 mil internações de pessoas em decorrência de sinistros de trânsito em todo o Brasil entre março de 2020 e julho de 2021. E nada menos que 54%, ou seja, metade das vítimas, eram ocupantes de motocicletas. Somente no período de janeiro a julho de 2021, o número de internações de motociclistas bateu recorde histórico, alcançando 71.344 casos graves e que exigiram a hospitalização do motociclista. Os dados analisados pela Abramet também revelam um crescimento continuado das internações de motociclistas a partir de 2012. As únicas exceções são o ano de 2017 (quando houve redução de 0,5% em relação ao ano anterior) e 2020 (0,3% a menos que o ano anterior à pandemia). E os homens, como esperado, seguem liderando o perfil das vítimas do SUS: de janeiro a julho de 2021, foram atendidos 59.499 homens e 11.845 mulheres. Em 2020, foram 95.343 e 19.201 respectivamente. Além da perda de vidas e mutilações, os estragos das motos custam caro para a saúde pública. Aliás, caríssimo. Somente entre janeiro e julho de 2021 já foram quase R$ 108 milhões gastos. Em 2020, mesmo com a pandemia, o SUS desembolsou R$ 171 milhões para tratar motociclistas traumatizados. De 2012 até agora, são R$ 1,3 bilhão. A região Sudeste foi a que registrou maior contingente de motociclistas internados em decorrência de sinistros, com total de 29.218 pessoas – 19% mais que no mesmo período de 2020. Em segundo lugar está a região Nordeste, com 23.370 vítimas – 18% mais que o registrado no primeiro semestre de 2020. Em Pernambuco foram mais de 2 mil motociclistas internados. O Centro-Oeste foi a única região brasileira que registrou redução de internação de motociclistas: no primeiro semestre de 2021 foram 5.931 hospitalizações – 5% menos que o registrado no mesmo período de 2020.