Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Profissional de saúde receberá a 3ª dose

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou ontem que os profissionais de saúde vão começar a ser contemplados com a terceira dose da vacina contra a covid-19. A medida vale para aqueles que foram imunizados com a segunda dose há pelo menos seis meses.

A aplicação de dose adicional nos profissionais de saúde, segundo o ministro, também deverá ser feita referencialmente com a vacina da Pfizer, assim como está sendo orientado para idosos e imunossuprimidos. Recentemente, essa imunização tem levantado discussões em relação ao produto a ser administrado. “Acabamos de aprovar a dose de reforço para profissionais de saúde, preferencialmente com a Pfizer, a partir de seis meses após a imunização completa”, escreveu Queiroga nas redes sociais.

Anteontem, a Prefeitura de São Paulo já havia permitido que os profissionais de saúde se cadastrassem na chamada “xepa” (sobra de doses) para receber uma dose de reforço da vacina contra a covid-19. Os interessados devem ter mais de 18 anos e precisam ter tomado a segunda dose ou dose única há pelo menos seis meses Os trabalhadores devem apresentar comprovante de vínculo empregatício em serviço de saúde do Município de São Paulo, documento de conselho de classe, comprovante de profissão, certificado ou diploma. Para se inscrever, basta comparecer à unidade de saúde mais próxima e informar nome e telefone.

SITUAÇÃO
O Brasil registrou ontem 680 novas mortes por covid-19, elevando para 593.698 o total de vítimas. Em 24 horas, foram notificados 18.844 casos do coronavírus. Com isso, o número de diagnósticos agora é de 21.326.804. Com crescimento de 21% na comparação com duas semanas atrás, a média móvel de óbitos por covid teve aumento pelo terceiro dia consecutivo e passou a ser de 565, com base em dados do consórcio de imprensa, que inclui o Estadão.

O fato positivo é que em novo levantamento divulgado ontem, a Fiocruz confirmou a tendência de queda dos casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) no País. Segundo o Boletim InfoGripe, apenas três Estados apresentam sinal de crescimento na tendência de longo prazo, que considera seis semanas: Espírito Santo, Piauí e Rondônia. Além deles, Amapá, Amazonas, Bahia, Pernambuco, Rio e Tocantins apontam para aumento de casos na tendência de curto prazo, que considera as três últimas semanas.

Em contrapartida, 12 Estados têm sinal de queda na tendência de longo prazo. Segundo a Fiocruz, Amazonas,
Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Rio Grande do Sul, Roraima, Santa Catarina,
São Paulo e Sergipe apresentaram melhora nos números. Segundo dados laboratoriais, 99% dos casos de SRAG têm
tido identificação positiva para o coronavírus. Assim, a tendência de queda é relevante.

Já o número de vacinados com duas doses ou dose única de vacinas contra a covid-19 no Brasil chegou nesta sexta-feira a 85.769 785, o que corresponde a 40,21% da população. Enquanto isso, 144 028.288 pessoas, o equivalente a 67,52% do total, receberam ao menos uma dose. Os dados são reunidos com as Secretarias de Saúde de 26 Estados e Distrito Federal.