Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Mais esperança na capital

O atual cenário epidemiológico da covid-19 no Recife trouxe um pouco mais de esperança. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a capital pernambucana não registrou mortes por síndrome respiratória aguda grave (srag) em decorrência da infecção pelo novo coronavírus nos dias 3, 4 e 5 de outubro. Esta é a primeira vez, neste ano, que a cidade tem esse tipo de registro. Apesar desse resultado divulgado pela prefeitura, é importante dizer que o número de óbitos ainda pode sofrer alterações, devido à qualificação dos bancos de dados.

O município também apresentou queda de 84,4% no número de óbitos pela covid-19 e 73,1% nos casos confirmados de srag. Os dados da Vigilância Epidemiológica compararam o período de 3 a 16 de janeiro, datas anteriores ao início da vacinação contra a doença na capital, com o intervalo de 12 a 25 de setembro.

As mortes de pessoas na faixa etária de 70 e 79 anos tiveram uma diminuição de 93,9%. Nos dados de janeiro, foram registrados 33 óbitos; em setembro, houve a notificação de duas mortes.

Em relação ao número de casos confirmados de srag, a faixa etária de adultos entre 30 e 39 anos, apresentou queda de 82,4%. Nas semanas epidemiológicas 1 e 2, foram registrados 17 casos nesta faixa etária, já nas semanas epidemiológicas 37 e 38, houve a notificação de três confirmações desse tipo.

Essa modificação no contexto da doença permitiu que a Prefeitura do Recife desmobilizasse os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e enfermaria exclusivos para pacientes com covid-19. Na semana passada, foram fechados os últimos leitos deste tipo, que funcionavam no Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa.

“Esses dados nos deixam esperançosos em relação ao controle da doença. Mas não podemos descuidar das medidas de proteção, pois o vírus continua em circulação. Somado a isso, pedimos que a população não deixe de tomar a vacina contra covid-19, complete o esquema vacinal, porque só assim temos a garantia da eficácia do imunizante”, declarou, em nota, a secretária de Saúde do Recife, Luciana Albuquerque. Mais de 47% da população recifense completou o esquema vacinal.

A médica sanitarista Tereza Lyra, pesquisadora da Fiocruz Pernambuco, também reforçou a necessidade dos cuidados. “É preciso estabilidade dos dados para começar a relaxar um pouco. O dado dos três dias é positivo, mas precisa se manter por mais tempo para dizer que o vírus já circula menos. Não vamos arrefecer os cuidados, precisamos evitar grandes aglomerações, precisamos continuar usando máscara, manter a higiene, precisamos que o dado se mantenha para podermos olhar melhor a transmissão e analisar que o vírus não está circulando tanto”, disse.

“Fico assustada, pois se fala até em Carnaval. Isso é precoce”, completou.