Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

SES é contra redução de intervalo de 21 dias

Após reunião do Comitê Técnico Estadual para Acompanhamento da Vacinação, Pernambuco decidiu pela manutenção do intervalo de 60 dias entre a primeira e segunda aplicação dos imunizantes da Pfizer. A decisão, pactuada com gestores municipais em encontro da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), ontem, foi anunciada em coletiva de imprensa pelo secretário estadual de Saúde, André Longo, depois de alguns municípios do estado adotarem a redução da  segunda dose do imunizante para 21 dias após a aplicação da primeira. Estratégia essa não recomendada pela SES-PE.

“Houve essa iniciativa em São Paulo. Aqui, o município de Caruaru anunciou isso. Consideramos que é um equívoco essa redução para 21 dias, porque diminui a efetividade da vacina e a resposta imunológica no organismo. Inclusive, este período de apenas 21 dias entre a primeira e segunda doses da Pfizer é uma das explicações apontadas por especialistas para o repique da doença em países como Inglaterra e Israel”, disse André Longo.

A orientação técnica é de que os municípios pernambucanos que adotaram essa estratégia revejam a medida de forma imediata e voltem a aplicar a segunda dose da Pfizer 60 dias após o início do esquema vacinal. “Diante das evidências científicas atuais, é que os municípios que adotaram essa medida revejam essa estratégia, de forma que não haja prejuízos, e voltem a aplicar a segunda dose da Pfizer com 60 dias após a primeira, como é a recomendação do comitê técnico nacional e estadual”, finalizou o secretário.

Considerada baixa, atualmente a cobertura vacinal de Pernambuco está em pouco mais de 55%.