Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Até hoje para comprovar vacina

Os servidores da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) têm até esta sexta-feira (5) para comprovar que se vacinaram contra a covid-19. A próxima sessão plenária está marcada para a quarta-feira (10) e será em formato híbrido, entre presencial e remoto. Na segunda (8) e terça (9) haverá as reuniões das comissões virtualmente.

A exigência da comprovação segue a lei que tornou obrigatória a vacinação para servidores estaduais, empregados
públicos, militares de estado, contratados temporários e prestadores de serviços contratados pelos órgãos e poderes
do estado, a Lei Complementar 458/2021.

O primeiro secretário da Alepe, Clodoaldo Magalhães (PSB) havia informado em 26 de outubro que o comprovante
seria exigido a partir da quarta (3), mas um ofício da Superintendência de Gestão de Pessoas da Alepe estabelece
o prazo final para apresentação dos documentos dois dias depois.

De acordo com o ofício, documentos que comprovem a vacinação ou atestem justa causa para não aplicação do imunizante devem ser enviados ao setor virtualmente. A apresentação dos documentos é apontada como condicionante para o “exercício regular das funções” dos servidores efetivos e comissionados da Casa.

Serão aceitos o Certificado Nacional de Vacinação, emitido pelo Conecte SUS Cidadão, cópia do cartão de vacinação ou declaração médica que justifique a ausência de imunização.

DEPUTADOS
O líder da bancada do governo, Isaltino Nascimento (PSB), garantiu que entre os governistas não houve nenhuma resistência quanto à obrigatoriedade da vacina. “Há um sentimento favorável, para preservar a saúde dos colegas, dos
servidores e pessoas que acessarão a Alepe”, disse o socialista ao JC. Procurado, o líder da oposição, Antonio Coelho
(DEM), disse que preferia não comentar sobre o assunto.

Entre os deputados, só há conhecimento de que Alberto Feitosa (PSC) e Clarissa Tércio (PSC) não tomaram a vacina
contra a covid-19. “Considero um absurdo, coibir, ameaçar ou discriminar pessoas em seu ambiente de trabalho, pela sua escolha em não se vacinar. É vergonhoso ver cidadãos de bem sendo ameaçados de demissão”, disse Clarissa por meio de nota enviada ao JC.

Além da legislação estadual, aprovada pela própria Alepe, a exigência do comprovante de vacinação também segue o
modelo do que tem sido exigido pelo Congresso Nacional. Lá, porém, os parlamentares têm visto dificuldade de formação de quórum na volta das votações presenciais; o que levou o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), a
permitir, inclusive, a votação de quem está em viagem a serviço do Parlamento.