Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

De volta ao patamar de julho

Os casos de síndrome respiratória aguda grave (srag) em Pernambuco permaneciam em nível de estabilidade, com leves oscilações, até a semana epidemiológica de número 50, que compreende o período de 12 a 18 deste mês. Mas, na penúltima semana do ano, a 51ª, que terminou no sábado (25), o número de pessoas com quadro de srag deu um salto, com um aumento de 54% em relação aos sete dias anteriores.

Na 50ª semana, foram notificados 366 casos de srag, condição que pode ser causada por diversos agentes (como coronavírus e influenza). Na semana seguinte, a 51ª, o número pulou para 566 casos. Com isso, Pernambuco volta ao patamar de julho (em relação a números absolutos de srag) e interrompe uma sequência de semanas de estabilidade em srag.

O quadro coincide com o aumento expressivo de pessoas com diagnóstico de gripe no Estado. Em nota enviada ao JC, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) informa que, há pouco mais de uma semana, vem notando o aumento de doenças respiratórias no Estado. “Também foram diagnosticadas laboratorialmente as primeiras ocorrências da influenza A (H3N2), doença sazonal e que vem acometendo diversas regiões brasileiras.

Por isso, nesta última semana, foi divulgada nota técnica e realizada capacitação com a rede de saúde para reforçar as informações sobre a influenza, importância da notificação dos casos de síndrome respiratória aguda grave (srag) e diagnóstico diferencial com a covid-19, inclusive por meio das análises laboratoriais pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-PE)”, diz a SES.

Essas ações, frisa a secretaria, têm tornado a vigilância mais sensível, o que é indispensável para monitoramento dos casos e dos vírus em circulação no Estado. Além disso, a SES ressalta que as ocorrências de srag causadas por covid-19 vêm se mantendo estáveis nos últimos dias.

“Mesmo assim, a secretaria continua reforçando a testagem dos doentes respiratórios para o vírus, inclusive com teste rápido, e também realizando análise laboratorial pela técnica de RT-PCR para outros agentes, como a própria influenza, para verificar qual está predominando.”

A SES ratifica, também na nota, que está vigilante e reforça a importância da população manter as medidas de higiene e não farmacológicas, como o uso de máscara e higienização das mãos, a fim de evitar novos adoecimentos. “As pessoas que adoecerem devem manter o isolamento e podem entrar em contato com o Atende em Casa para buscar orientações de como proceder”, orienta a secretaria.

DADOS

Até o momento, Pernambuco totaliza 222 casos de gripe: 217 para influenza A (H3N2) – sendo 1 pelo critério clínico-epidemiológico – e 5 não subtipada. As análises foram realizadas no Lacen-PE. Dos 222 casos, 28 (12,6%) apresentaram quadro de síndrome respiratória aguda grave (srag). Também estão confirmados 3 óbitos pela influenza A (H3N2). O primeiro, informado na última segunda-feira (20), foi de um homem de 46 anos, morador do Recife e paciente com doença renal crônica, que faleceu no domingo (19). O segundo foi de uma mulher de 69 anos, residente no Recife, e que teve o início dos sintomas em 8 de dezembro (tosse, falta de ar).

Ela, que tinha hipertensão e diabetes, estava internada desde 17/12 na unidade de terapia intensiva (UTI) do Hospital de Referência à Covid-19 – unidade Boa Viagem, Zona Sul do Recife, e faleceu na segunda-feira (20/12). Já o terceiro óbito foi de um homem de 24 anos, com sobrepeso e hipertensão. A SES diz que, de acordo com a família, ele tinha histórico recorrente de busca por serviço de saúde por causa da pressão alterada.

O início dos sintomas foi em 14/12 (febre, tosse, falta de ar), e o óbito em 16/12, no Hospital Municipal Carozita Brito, em Nossa Senhora do Ó, em Ipojuca, Grande Recife. “Estes números só reforçam a circulação comunitária da influenza A (H3N2) em Pernambuco e a necessidade de reforço nos cuidados, especialmente com uso da máscara.

Precisamos, neste momento, de uma atenção redobrada com as crianças, idosos e pessoas com comorbidades severas, que são grupos com maior risco para agravamento pela influenza”, afirma a secretária-executiva de Vigilância em Saúde da SES-PE, Patrícia Ismael.

“Vamos precisar de uma atenção e de um cuidado a mais de todos para que as vidas das pessoas que amamos não fiquem em risco. Todos devem fazer sua parte no cuidado e na prevenção para que possamos superar mais este momento. Se a maioria das pessoas usar a máscara, vamos evitar as contaminações, o estrangulamento da rede de saúde e vamos salvar vidas”, complementa Patrícia.