Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Gripe avança e já responde por 65 mortes

Governo criou 480 novas vagas desde o começo da nova crise de saúde, incluindo 213 de UTI.

O número de mortes geradas pela epidemia de Influenza em Pernambuco já chega a 65, segundo dados divulgados ontem pela Secretaria Estadual de Saúde. O volume de casos soma 8.337. Os dados foram contabilizados ao longo de apenas 22 dias, desde 20 de dezembro de 2021. Na nova rodada de análises feitas pelo Laboratório Central de Saúde Pública de Pernambuco (Lacen- -PE) foram obtidas 1.945 amostras laboratoriais positivas e confirmados 27 novos óbitos. Do total de confirmações, 8.245 são de inf luenza A (h3n2) e 92 inf luenza A não subtipada. Até o momento, 799 pacientes (9,6%) apresentaram síndrome respiratória aguda grave (Srag), sendo 790 do subtipo H3N2 e nove casos não subtipados.

Dos 65 óbitos – aumento de 71% em relação ao último boletim, divulgado no dia 6 – 22 vítimas são do sexo masculino e 43 do feminino. Sessenta e quatro mortes estão confirmadas para a inf luenza A (h3n2) e uma não foi definida. As idades dos pacientes variam entre um a 98 anos. Todos apresentavam fatores de risco para complicação por Influenza, como diabetes, doença cardiovascular, doença renal crônica, hipertensão arterial e sobrepeso. O avanço da dupla epidemia de Covid-19 e H3N2 foi tema de entrevista coletiva concedida ontem pelo secretário estadual de Saúde, André Longo. Ele se mostrou preocupado os índices atuais, que somam um tipo de gripe altamente contagioso à variante Ômicron do novo coronavírus, responsável pelo aumento de casos e por retrocessos na reabertura das atividades em todo o mundo.

De acordo com Longo, na primeira semana epidemiológica de 2022, 1.419 notificações de Srag foram contabilizadas, aumento de 50% em uma semana e 138% em 15 dias. O secretario atribuiu os números de contaminações, em sua maioria, à Influenza. Longo disse que as contaminações geraram forte impacto nas solicitações de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), que atingiram os mesmos níveis do começo da pandemia da Covid-19, em 2020. Foram, ao todo, 805 solicitações de leitos na primeira semana epidemiológica, que corresponde a um aumento de 82% em 15 dias. “Neste cenário de pressão na rede pública de saúde, vamos continuar colocando em prática o nosso plano de contingência, com intensa mobilização de leitos, para garantir assistência a população”, afirmou o secretário. O gestor anunciou que o governo do estado precisou abrir 480 novos leitos para casos de síndrome respiratória aguda grave, sendo 213 de UTIs, que correspondem à capacidade de dois grandes hospitais de campanha. A pasta também confirmou a necessidade de abrir 500 novos leitos nos próximos dias, onde 290 serão voltados para a UTI. “Só com os esforços do governo do estado não seremos capazes de proteger toda a população. Precisamos dos esforços de todos. Ou as pessoas cooperam ou teremos mais perdas e mais sofrimento.

Por esses motivos, o Gabinete de Enfrentamento à Covid-19 decidiu adotar, a partir da próxima sexta-feira, novas medidas (de restrição) pelos próximos 15 dias.” O objetivo das normas, que incluem redução na capacidade de eventos e apresentação de passaporte vacinal em locais de alimentação, visa diminuir a circulação viral e estimular a vacinação. Longo confirmou que a fiscalização será reforçada com a ajuda dos municípios.Solicitações por vagas de UTI voltaram aos mesmos patamares registrados no começo da pandemia, Segundo a ses-pe