INDICATIVO DE INTERDIÇÃO | Fonte: Assessoria de Comunicação do Cremepe

SPA de Peixinhos é pauta de audiência pública no Ministério Público

AUDIA Secretária de Saúde de Olinda tem o prazo de 20 dias para apresentar um plano de medidas que viabilize a reabertura do plantão noturno do Serviço de Pronto Atendimento (SPA) de Peixinhos. A decisão foi tomada na tarde da terça-feira (03/11), em audiência pública no Ministério Público – Promotoria de Justiça de Olinda com a presença dos representantes das entidades médicas – Cremepe e Simepe -, conselho e sindicato dos enfermeiros, vereadores do município e participação popular.

Os presentes na audiência pública consideraram positiva a decisão e aguardam a apresentação das ações no dia 24 de novembro no Ministério Público. Diante do novo cenário, o Cremepe levará o indicativo de interdição ética do SPA novamente para avaliação da plenária estender o  prazo para 30 de novembro.

A audiência, presidida pela Promotora de Justiça Maísa de Oliveira,  foi provocada após denúncia do Simepe e reiterada pelo Cremepe, sobre fechamento do plantão e a interrupção de assistência à saúde à população. A unidade que era o único serviço de emergência 24h de Olinda e passou a funcionar das 7h às 19h.

Durante a audiência, ficou claro o descontentamento generalizado com a medida da Secretária de Saúde de Olinda. O vice-presidente do Simepe, Tadeu Calheiros, questionou o fato da pasta da saúde ser  a última coisa  pautada pela gestão municipal. “Faltam recursos humanos, transporte seguro para os pacientes, insumos e investimento. Os trâmites para o fechamento do serviço noturno do SPA de Peixinhos não foram claros “, pontuou o vice-presidente do Simepe, Tadeu Calheiros.

Para o presidente do Cremepe, Silvio Rodrigues, a revisão da reabertura do serviço é fundamental.  “Não cabe um serviço de pronto atendimento trabalhar só 12 horas. Quando se chega as cinco horas da tarde e tem um paciente instável, uma criança com asma, um paciente hipertenso que precisa estabilizar a pressão ou quadro convulsivo a primeira ação é estabilizar. Se o paciente não estiver estabilizado e precisar ser transferido o risco de morte é muito alto”, explicou.

Ainda de acordo com ele, Olinda já trabalha com uma estrutura de saúde sobrecarregada. “O Cremepe fiscalizou o Hospital Tricentenário e a Unidade de Pronto Atendimento (UPA). “As duas unidades estão superlotadas. Só na sala amarela da UPA havia cinco macas extras e a sala vermelha do Tricentenário estava totalmente lotada, inclusive, com pacientes entubados”, esclareceu Rodrigues.

A secretária de Saúde de Olinda, Tereza Miranda, alegou que o município passa por problemas financeiros e a pasta esbarra na lei de responsabilidade fiscal. Porém, a promotoria indicou que os cortes não devem ser feitos gastos menos prioritários que a saúde.

Tags :
Gostou ? Então deixe um comentário abaixo.

Clippings