Pesquisar
Agendar Atendimento Presencial

Serviços

ver todos

PE faz cirurgia inédita no coração

Intervenção com celúla-tronco foi feita em paciente no Agamenon Magalhães

Uma equipe formada por oito especialistas da área de cardiologia do Hospital Agamenon Magalhães (HAM), realizou, na última segunda-feira, a primeira cirurgia do norte-nordeste de implante de células-tronco no miocárdio – parte média da parede do coração. Segundo a chefe da equipe, a médica Conceição Arruda, o paciente Manoel Antônio da Silva, 55 anos, deu entrada no HAM às 14h45 do dia 31 de outubro, sentindo fortes dores no peito, falta de ar e intenso desconforto pré-cardial, o que caracteriza um infarto agudo do miocárdio, ou seja, uma obstrução da artéria coronária.

Após medicações e uma série de procedimentos ele submeteu-se ao implante das células-tronco, permitindo, assim, a regeneração da região afetada. O processo foi assistido por um grupo do Centro de Referência do Hospital de Laranjeiras, do Rio de Janeiro, que veio supervisionar a cirurgia. “Retiramos uns 100 ml da medula óssea do paciente. O material foi enviado para o laboratório de células-tronco e armazenado. Depois disso, foi injetado em Manoel Antônio, através de um cateterismo, no local da lesão coronária”, explicou a médica.

A chefe da cardiologia da unidade disse que a cirurgia durou quase duas horas, já que se trata de um paciente acima do peso. Também informou que ele tem feito exames diários e que será acompanhado durante um ano e meio. “Manoel está passando muito bem. Dependendo da resposta do organismo dele, teremos feito o primeiro implante de sucesso”, comemorou. Conceição acredita que o doente já deverá ter alta amanhã à tarde.

“É uma experiência nova que veio para ficar em todos os campos da medicina. É algo para o Brasil desfrutar. Estamos no caminho certo, embora ainda estejamos engatinhando. Acredito que é o começo de uma nova era, com uma perspectiva ótima para todos os pacientes que precisem realmente do procedimento. Mas, como tudo, é um protocolo de experiência”, considerou.

O primeiro Laboratório de Terapia Celular público do Norte-Nordeste foi inaugurado no dia 10 de outubro, no HAM. O espaço foi construído e equipado com um investimento da ordem de R$ 250 mil, proveniente da Secretaria Estadual de Saúde (SES). Os aparelhos são todos de última geração e a expectativa das pesquisas realizadas no local é dar uma maior qualidade de vida aos doentes que sobreviveram ao infarto, mas que tiveram tecidos do coração lesionados pela insuficiência de oxigênio por tempo prolongado.

MORTES

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que as cardiopatias são a maior causa de mortalidade no planeta. Dos 57 milhões de óbitos anuais no mundo, mais de 20 milhões são provocados pelas doenças do coração. Em Pernambuco, estatísticas da Secretaria Estadual de Saúde indicam que, a cada ano, 14.500 pessoas tornam-se vítimas fatais das doenças do coração, sendo 42 óbitos por dia.

Da Assessoria de Comunicação do Cremepe.
Com Informações de Rivânia Queiroz, da Folha de Pernambuco.

370 visualizações

Privado: PE faz cirurgia inédita no coração

Intervenção com celúla-tronco foi feita em paciente no Agamenon Magalhães

Rivânia Queiroz

Uma equipe formada por oito especialistas da área de cardiologia do Hospital Agamenon Magalhães (HAM), realizou, na última segunda-feira, a primeira cirurgia do norte-nordeste de implante de células-tronco no miocárdio – parte média da parede do coração. Segundo a chefe da equipe, a médica Conceição Arruda, o paciente Manoel Antônio da Silva, 55 anos, deu entrada no HAM às 14h45 do dia 31 de outubro, sentindo fortes dores no peito, falta de ar e intenso desconforto pré-cardial, o que caracteriza um infarto agudo do miocárdio, ou seja, uma obstrução da artéria coronária.

Após medicações e uma série de procedimentos ele submeteu-se ao implante das células-tronco, permitindo, assim, a regeneração da região afetada. O processo foi assistido por um grupo do Centro de Referência do Hospital de Laranjeiras, do Rio de Janeiro, que veio supervisionar a cirurgia. “Retiramos uns 100 ml da medula óssea do paciente. O material foi enviado para o laboratório de células-tronco e armazenado. Depois disso, foi injetado em Manoel Antônio, através de um cateterismo, no local da lesão coronária”, explicou a médica.

A chefe da cardiologia da unidade disse que a cirurgia durou quase duas horas, já que se trata de um paciente acima do peso. Também informou que ele tem feito exames diários e que será acompanhado durante um ano e meio. “Manoel está passando muito bem. Dependendo da resposta do organismo dele, teremos feito o primeiro implante de sucesso”, comemorou. Conceição acredita que o doente já deverá ter alta amanhã à tarde.

“É uma experiência nova que veio para ficar em todos os campos da medicina. É algo para o Brasil desfrutar. Estamos no caminho certo, embora ainda estejamos engatinhando. Acredito que é o começo de uma nova era, com uma perspectiva ótima para todos os pacientes que precisem realmente do procedimento. Mas, como tudo, é um protocolo de experiência”, considerou.

O primeiro Laboratório de Terapia Celular público do Norte-Nordeste foi inaugurado no dia 10 de outubro, no HAM. O espaço foi construído e equipado com um investimento da ordem de R$ 250 mil, proveniente da Secretaria Estadual de Saúde (SES). Os aparelhos são todos de última geração e a expectativa das pesquisas realizadas no local é dar uma maior qualidade de vida aos doentes que sobreviveram ao infarto, mas que tiveram tecidos do coração lesionados pela insuficiência de oxigênio por tempo prolongado.

MORTES

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que as cardiopatias são a maior causa de mortalidade no planeta. Dos 57 milhões de óbitos anuais no mundo, mais de 20 milhões são provocados pelas doenças do coração. Em Pernambuco, estatísticas da Secretaria Estadual de Saúde indicam que, a cada ano, 14.500 pessoas tornam-se vítimas fatais das doenças do coração, sendo 42 óbitos por dia.