Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Cremepe promove live sobre o junho vermelho nesta quarta-feira (30/06)

Em alusão ao Junho Vermelho, mês de doação de sangue, o Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) realizou, na noite desta quarta-feira (30/06), uma live sobre doação de sangue. O encontro virtual, que foi transmitido através do canal do Youtube da autarquia, contou com as apresentações da hematologista e hemoterapeuta e diretora de hemoterapia do Hemope, Anna Fausta, da supervisora da Captação de Doadores do Hemope, Josinete Gomes e moderação do conselheiro e coordenador da Escola Superior de Ética Médica (ESEM), Fernando Cabral. 

“O junho vermelho foi criado para conscientizar a população sobre a importância da doação de sangue”. Com esta fala, Anna Fausta iniciou sua apresentação, na qual destacou pontos da legislação da hemoterapia no Brasil, que determinam que a doação de sangue deve ser voluntária, anônima e altruísta, sem remuneração ou benefício ao doador. A hematologista e hemoterapeuta frisou, ainda, a necessidade da doação para salvar vidas. “Não existe substituto para o sangue. Ele garante maior segurança para cirurgias de grande porte, é um suporte para o tratamento de doenças oncológicas e onco-hematológicas, além de ser essencial no tratamento do trauma e para a manutenção da vida de pacientes portadores de patologias crônicas”, afirmou a médica.

A segunda palestra da noite foi da assistente social, Josinete Gomes, que falou sobre a captação de doadores de sangue. “Captar não é uma tarefa fácil, pois requer o conhecimento sobre aspectos sociais, econômicos, culturais da sociedade e a apropriação de técnicas que possibilitem a compreensão sobre o ato de doar e a importância da doação”, explicou Josinete. A supervisora da Captação de Doadores do Hemope pontuou, também, as atribuições da captação, que vão “desde articular com diversos segmentos da sociedade; planejar todas as ações de captação; divulgar as ações desenvolvidas pela fundação até difundir a doação de sangue”.

Por fim, o conselheiro, Fernando Cabral, agradeceu às palestrantes pelas apresentações e trouxe os questionamentos dos espectadores. Diante da dúvida se “quem teve Covid-19 pode doar sangue?”, a hematologista e hemoterapeuta, Anna Fausta, fez o esclarecimento. “Pode sim. A pessoa precisa estar a 30 dias sem nenhum sintoma para poder se candidatar à doação. Já aquela pessoa que teve um contato com alguém que teve algum sintoma de Covid-19, deve ficar 14 dias de quarentena e, caso não sinta nada, está liberada para realizar a doação”, explicou a médica.